Imagem

Quando eu nasci, mamãe cantava pra eu dormir Paralamas do Sucesso e Titãs. Pegou o Naipe maluco? Aqui é Zapeta, não me acho, não acho que o que eu escuto é melhor do que o que ninguém escuta, até porque pode ser que você ai do outro lado não suporte minhas referências musicais, e respeito isso totalmente, pode ser também que você prefira ouvir Mozart ou Bonde do Tigrão, pelo contrário em momentos certos eu escuto os dois lados também, sou fã de pessoas que conseguem resumir batidas em palavras, e respeito totalmente todos estilos que povoam essa nossa amada terra do Pau Brasil, mas nessa coluna, vai rodar o que tá nesse Headphone Ok?

É assim que eu me sinto toda vez que toca um RAP no meu Headphone, mas eu gosto e dai? Não sou nenhum cara branco querendo ser um cara maneiro, me visto como um nerd, e tirando meu boné dos Yankees Snapback acho que tenho poucas peças que poderiam mostrar que eu gosto pra caramba desse estilo. Não é a modinha do momento como muitos dizem, eu só acho que esse ritmo conquistou seu espaço, com letras bem versadas, com um estilo que mistura o engraçado ao sério e emblemático, é disso que estamos falando, de problemas sociais sendo levados de maneira bem explicada em cinco ou seis minutos de musica, de uma comunidade mostrando suas qualidades, coisa que anteriormente estava bem claro na MPB e no Rock.

Não tenho nenhuma critica a apresentar aos atuais cenários do Rock e do MPB, tem muita coisa boa, acho que todo ritmo possui sua fase, mas eu não estou tão contente com o Rock e MPB de hoje como estou feliz pelo RAP, eles trazem até os meus ouvidos e aos ouvidos de muita gente por ai, os avisos que gente como eu tanto quer ouvir, gente que observava a Roda Viva de Caetano Veloso, e sentia que seu apelo era levado de forma leve naquela letra.

Mas nem sempre foi assim, nasci ouvindo ritmos diferentes, e vivi fases de crescimento musical que me fizeram escutar vários ritmos, o RAP chegou até a mim eu estava na faculdade, andando pelos corredores no meu quarto ou quinto dia, ainda na semana de recepção aos calouros, um dos caras que eu tinha conhecido na faculdade de apelido “pagode”, estava com uma camiseta do Emicida, e ai por gostar da camiseta fui procurar quem era o cara e ai escutei Triunfo, depois disso através dos link do Youtube, conheci o trabalho de outro Gênio do atual Rap, Projota, e disso foi indo e fui adicionando esse ritmo pouco a pouco a minha mente, gostando e degustando, aprendendo a entender as bases e as letras, aprendi até a tocar algumas e pouco a pouco essas musicas adentraram meu Headphone, outra preconceito que o Rap tirou de mim, afinal eles são bem mais confortáveis para quem tem orelhas grandes hehehe.

Mas bem depois das minhas pequenas considerações sobre o cenário musical atual, chegou a hora de eu trazer até vocês as minhas doses de músicas. Pra começar quero falar desse garoto do Vale do Paraíba, passei por tanta coisa nesse crescimento conhecendo esse estilo que pra mim sempre foi um mistério, uma musica que eu não posso tocar e não faz quase sentido nenhum se eu cantar, aprendi pouco a pouco que é rap é uma coisa bem pessoal, cada MC tem o seu Rap, feito com ele ou com seus manos, acho que isso foi o que mais me chamou a atenção no trabalho de A.X.L, mesmo sem conhecer a história desse cara, eu posso sentir que não é só as letras que são rápidas e lixeiras, é também a mente desse MC que tanto me surpreende.

O primeiro Clipe dele que aqui posto me chama a atenção pela letra, gravado com Projota, Kamau, e Mathenie, É noiz! é uma letra rápida, e direta, e bem gostosa de ouvir, bom vou falar pouco, quem quiser pode conferir.

Bom para quem quiser conferir o trabalho do cara, o site oficial que está neste momento em desenvolvimento é: http://www.axloficial.com

Anúncios